E o inglês?

Bem, faz muito tempo que não postamos nada no blog. A vida no Canadá estava corrida, voltamos ao Brasil, ficou ainda mais corrida e o blog foi ficando pra trás. Vamos voltar a publicar os textos atrasados e as novidades! Enfim, as desculpas já foram dadas, então vamos logo ao que interessa!

“E o inglês? melhorou? valeu a pena?”. Essa foi a pergunta que todo mundo nos fez quando voltamos.

Todos sabem que ao sair do Brasil, meu inglês não era lá grandes coisas. Conseguia ler e entender o que ouvia de maneira satisfatória, mas falar era um grande problema. Grande mesmo.

Antes de ir, eu e a Paulinha fizemos um trato: Ao chegar em Toronto eu teria de uma a duas semanas pra me habituar ao inglês, e depois disso, no more portuguese! E assim fizemos, na primeira semana, tirando os momentos em que conversávamos com as pessoas do home stay e no curso, nossas conversas eram totalmente em português. Na segunda semana forcei mais  o inglês e usava o português quando não sabia quando me expressar. Da terceira semana em diante, só inglês. Não sabe expressar alguma coisa? se vira! e assim foi até o final, salvo raros momentos em que estávamos cansados de falar inglês, mas foram poucos.

No começo minha grande dificuldade era a tradução. Enquanto ouvia alguém falar, tentava traduzir, e na hora de responder, pensava em português e depois traduzia. Tudo errado! sempre me enrolava, perdia partes importantes dos diálogos, travava na hora de falar por não saber determinada palavra.

Nessas horas a Paulinha sempre me falava – “você tem que pensar em inglês! para de tentar traduzir.” – Muito fácil falar. Me diz como se faz?

Pensar em Inglês não é algo que se ensine, ou que seja fácil de explicar. Acontece naturalmente. Comigo aconteceu entre a terceira e quarta semana e fez toda diferença.

No primeiro dia de aula, fiz um teste (múltipla escolha), e o resultado foi: pré-intermediário. Nas primeiras duas semanas a dificuldade foi grande, na terceira melhorei bastante e na quarta semana, fiz um teste de nivelamento e para minha surpresa, subi de nível para o intermediário.

Naquele momento, as coisas já estavam fluindo bem melhor, já havia perdido a vergonha de falar, e o inglês já estava mais natural.

Meus maiores problemas foram a vergonha de falar, a insegurança e o maldito “pensar em inglês”.

Na última semana de curso fiz outra avaliação, e o resultado foi positivo. Avançaria para o pós-intermediário. Pra vocês terem uma ideia, após esse, tinham apenas dois níveis: avançado e preparatório para exames.

Então a resposta é SIM! o inglês melhorou muito e o curso valeu cada centavo. Inclusive, nossa decisão de buscar um curso de inglês menos conhecido se mostrou acertada. Haviam menos brasileiros, e os que estavam lá levavam bastante a serio e não falavam português.

Algumas dicas para quem está na mesma situação que eu:

  • Perca a vergonha o mais rápido possível;
  • Não perca uma oportunidade sequer de falar inglês;
  • Aprenda a pensar em inglês!;
  • Assista programação em inglês, seja na TV, rádio ou internet;

Vou ficando por aqui pessoal, aguardem, que logo virão mais postagens!

Rafael Lima

Analista de sistemas, cervejeiro, fissurado por tecnologia, política, viagens e é claro, pelo Canadá!

Você pode gostar...

5 Resultados

  1. LiliannLira disse:

    Oi Rafael, tudo bem? qual foi escola que vc fez lá em Toronto?

  2. Luiz disse:

    Olá Rafael!

    Muito bacana seu blog. Você estudou Inglês por quanto tempo em Toronto? Meu IELTS já está em 7 no overall, estou estudando por conta e avaliando se fico fora um período estudando, achei legal fazer essas considerações sobre ter valido a pena.

    Vlw Até!

    • Rafael Lima disse:

      Opa Luiz, tudo bem?

      Foram dois meses estudando inglês (30 horas por semana se não me falha a memória). Esse overall no IELTS é simulação ou você chegou a fazer a prova? Se for simulação, você pode fazer a prova e ver se a nota te agrada.

      De qualquer forma, esse período fora é uma experiência muito bacana e eu recomendo bastante.

      Abraço.

      • Luiz disse:

        Tudo jóia Rafael!

        Essa última nota média foi nos simulados. Eu fiz outro exame de proficiência em Março – PTE Academic que é aceito pela imigração Australiana (já estou aplicando para o visto de residente pra lá). Comparando com o IELTS na equivalência seria 6.5, porém o Canadá não aceita esse exame.

        Eu fui pra Toronto em Maio e achei a cidade fantastica, por isso comecei a pesquisar sobre a aplicação deles caso eu fique apenas na “fila” de espera da Austrália. O sistema é meio parecido, se cadastra e aguarda o convite pra aplicar em até 2 anos.

        Obrigado pela dica e sucesso na finalização da aplicação de vocês. Irei continuar acompanhando o blog.

        Um abração

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *